Solidão até solitude

 

Educação para a vida deveria incluir aulas de solidão

 

POR REBECA BEDONE

Nem todo mundo entende que algumas pessoas vivem melhor quando têm seus momentos sozinhas. Chamam-nas de solitárias e individualistas. Mas a verdade é que existem homens e mulheres que curtem a solidão, dure ela poucas horas ou muitos dias. No silêncio, essas pessoas escutam melhor a si mesmas. É uma necessidade genuína de ser unidade.

Não tem a ver com individualismo egoísta ou autossuficiência, mas com o aprendizado que se adquire com o tempo: como nas vezes em que, acompanhada, a pessoa se sentiu sufocada ou incompleta. Ou, simplesmente, não conseguiu pensar com clareza.

São muitas as cobranças de quem não entende a escolha da solidão. O parceiro que não entende que o outro precisa ter seus momentos sozinho, mesmo que dentro do relacionamento. O amigo que insiste em virar a noite em baladas com vodca e energético e não aceita a opção pela madrugada com vinho tinto e sessões de filmes na Netflix. Outros acham insuportável estarem desacompanhados — seja por parentes, amigos ou amores — e precisam ficar com alguém o tempo todo.

Cada um tem a sua própria maneira de enxergar a si mesmo. Cada vez mais acredito que minha força está na solidão. Em meu exílio, sou tempestade em dia de verão. Encontro meus medos, segredos e saudades em meio à calmaria de estar só. Minha própria companhia pode até me apavorar de vez em quando, mas são estes raios tempestivos que me guiam para dentro de mim mesma: o lugar onde tudo é mistério e solução.

Quem se reconhece em si mesmo não teme o silêncio da espera e o vazio do quarto. Aproveita a leitura na madrugada e a ressonância dos pensamentos. Supera o cansaço e resgata anseios esquecidos. Entende que sempre existirão tristeza e alegria, estando só ou acompanhado.

Mas este processo nem sempre é fácil. Para estar só, é preciso abandonar o comodismo e ir de encontro aos próprios defeitos. É preciso encaixotar sonhos impossíveis. Encarar despedidas e aceitar o que não tem explicação. E, às vezes, é necessário sofrer para entender o amor.

Algumas pessoas precisam ficar sozinhas para encontrar o equilíbrio sobre a frieza da vida, como um dançarino que patina sobre o gelo. A alma silenciosa desliza na musicalidade que expressa sentimentos escondidos. A solidão se torna solitude quando se harmonizam sonho e realidade, sem se preocupar demais com as quedas que a dança da existência pode trazer; a quietude surge na decisão de erguer-se sempre.

Depois da solidão, tenha ela a duração de uma noite, várias semanas ou o tempo que for necessário, chega o tempo de recomeçar. Surge a vontade de ir ao encontro das pessoas queridas, uma necessidade honesta de lhes distribuir atenção e carinho. Porque é o reinício do voo sem a certeza de onde se irá pousar, pois o que importa é o caminho. O caminho de ser uma pessoa mais feliz e serena, e não um pedaço incompleto de si mesma.

Título tomado de empréstimo de  uma frase Mauro Santayana

 créditos: enviado por email por Edison Ciuffo

 

Autor: betaniasemh

Professora universitária pela UERJ e médica do Hospital Federal Cardoso Fontes/ Rio de Janeiro duração : 35 anos aposentada 65 anos. Solteira, sem filhos. Viagens, arte, música e escrever são minhas predileções atuais não deixando de forma alguma a medicina agora como um fator de ajuda a necessitados. A paixão por escrever sobre os mais variados assuntos me moveu até aqui.( Ler é vestir a alma, escrever é despi-la) Resido atualmente na região serrana do estado do Espírito Santo na cidade de Santa Teresa colonização italiana e alemã.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s