Sete notas, apenas!

Estou há horas ouvindo música.

Em cada uma se torna impressionante o quão identificamos ” pedaços” de nós e ” trechos” de nossas vidas. Começo ” filosofando” o óbvio que há séculos é falado: como de apenas sete notas pode-se construir tantas canções lindas. Não interessa se falam de amor ( mais comuns) ou revoltas ou religião ou espiritualidade ou política ou motivações ou desespero ou ” esperos” ou beleza ou tristeza ou alegria . Indubitavelmente é a forma mais linda de expressão porque não requer contração, concentração , sequer atenção .

De repente , não mais que de repente algo ou alguém seja em sustenido em ébano ou marfim ela vem e lhe completa trazendo você a você ou algo e / ou alguém a ,não importa o momento, instante que seja . Veja bem: vou tentar!

Sem fim você é um instante que tem a grandeza de um mar , de uma galáxia. Não importa a lua, as estrelas, você permanece no céu, nas estrelas sem fim…

Dizem que sempre choveu parou , nublou mas calma: espere o sol raiar

Há muito tempo nas águas da Guanabara , conhecido como o navegante negro tinha a nobreza do mestre sala . Glória aos piratas , mulatas e as sereias , a farofa a cachaça a todas as lutas inglirias que através de nossa história não esquecemos jamais!

Eu e você não é assim tão complicado , não é difícil de entender, a estrada sem você é mais segura! Seu sorriso é só disfarce! Entre nós dois não cabe nenhum segredo além do que já combinamos ! Quando finjo que esqueço eu não esqueci nada! Toda vez que procuro uma saída acabo entrando sem querer na sua vida! Cada vez que fujo eu me aproximo mais, eu atravesso o seu futuro !

Depois de ter você , pra que querer saber que horas são? se é noite ou faz calor , se estamos no verão , se o sol virá ou não depois de ter você poetas para que? Para que servem as ruas? Os deuses , as dúvidas? Pra que amendoeiras? que horas são? pra que querer saber?

Para quem quer quer se soltar invento o cais , invento lua nova a clarear , invento o amor e sei a dor de encontrar. Eu queria ser feliz , invento o mar , invento em mim o sonhador .Tenho o caminho que sempre quis, um saveiro pronto para partir e sei a vez de me lançar!

Canta canta minha gente!

Deixe a tristeza para lá canta forte , canta alto que a vida vai melhorar!

Quem canta seus males espanta , só não dá pra cantar mesmo vendo o sol nascer quadrado!

Descansar a vista até onde a vista alcança de uma zona temperada até onde sonho te leva. Varanda suspensa de São Sebastião! Composta de mangueiras e costelas de Adão, tardes de veraneio anunciando noites néon!

Faça uma lista de grandes amigos quem você mais via há dez anos atrás. Faça uma lista dos sonhos que tinha quantos você desistiu de sonhar. Onde você ainda se reconhece nas fotos antigas. Quantos segredos você guardava e hoje são bobos, ninguém quer saber .Quantas canções que você cantava, hoje assovia pra sobreviver .

Ah se tu soubesses como eu sou tão carinhoso, tu não fugirias mais de mim.

As aparências enganam aos que odeiam e aos que amam porque o amor e o ódio se irmanam na fogueira das paixões. Os corações pegam fogo e depois não há nada que os apague se a combustão nos persegue as labaredas e as brasas são o alimento , o veneno , o pão , o vinho seco , a recordação dos tempos idos de comunhão, sonhos vividos de conviver. Os corações viram gelo e depois não há nada que os degele, se a neve cobrindo a pele vai esfriando por dentro o ser , não há mais tempo de se esquentar, nada a se fazer senão chorar sobre o cobertor. As aparências enganam aos que gelam e aos que inflamam porque o fogo e o gelo se irmanam no outono das paixões , os corações cortam lenha e depois se preparam para outro inverno mas o verso que os unirá ainda vive e transpira ali na reticente primavera no insistente perfume de alguma coisa chamada amor!

Nada do que faço me alucina tanto quanto o que não fiz!

Um dia vestido de saudade viva vais ressuscitar! Casas mal vividas, camas repartidas vai se revelar. Quando a gente tenta de toda maneira dele se guardar, sentimento ilhado, morto , amordaçado , volta a incomodar!

Só uma palavra me devora, aquela que meu coração não diz , o que me cega , o que me faz infeliz é o brilho do olhar que não sofri!

Credo! e a gente ainda acha que escreve algo que preste!

Excelente semana!

affffffffffffffffffff

Autor: betaniasemh

Professora universitária pela UERJ e médica do Hospital Federal Cardoso Fontes/ Rio de Janeiro duração : 35 anos aposentada 65 anos. Solteira, sem filhos. Viagens, arte, música e escrever são minhas predileções atuais não deixando de forma alguma a medicina agora como um fator de ajuda a necessitados. A paixão por escrever sobre os mais variados assuntos me moveu até aqui.( Ler é vestir a alma, escrever é despi-la) Resido atualmente na região serrana do estado do Espírito Santo na cidade de Santa Teresa colonização italiana e alemã.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s