Até ser útil…ou amado

Engole… Engole! É só água. Tua boca tá cheia d’água. Engole. Então cospe. Aqui, cospe. Cospe! Ouvi de dentro de meu apartamento. Logo acima do play. Só poderia ser uma cuidadora de idoso ou uma babá de criança. Fui à varanda. Vi uma senhora numa cadeira de rodas, bem vestida e elegante, com um chapéu para proteger do sol. E a cuidadora uniformizada. Não havia agressão física. A cuidadora apenas dava ordens impacientes. Pensei no que pode ter sido a vida daquela mulher. Cresceu, estudou, amou, trabalhou, teve filhos, viajou, discutiu, chorou, riu. Como todos nós, uns mais, outros menos. E agora estava ali, à mercê de alguém sem preparo e sem sensibilidade para perceber que ela não fazia de propósito. Simplesmente desaprendera ou não conseguia mais deglutir. Por falta de coordenação central e motora. Pensei se eu gostaria de estar viva nas condições dessa senhora no playground. Não gostaria. Por autoestima, por amor próprio e para não dar trabalho aos outros. Não parece vida. Uma saída para abreviar uma existência sem prazer, compreensão e autonomia é o testamento vital. Esse documento já é previsto em vários países, ainda não foi legislado no Brasil. Precisa ser assinado com testemunhas, enquanto estivermos ativos e conscientes. O testamento vital define os limites para tratar uma doença sem cura, uma demência irreversível. A ideia é não ficar refém de tubos, internações sem fim, dores agudas. Ou até da fria solidão. “Haverá outro modo de salvar-se? Senão o de criar as próprias realidades?”, escreveu Clarice Lispector. Hoje, grande parte de minha geração tem pais muito idosos. Mais ou menos lúcidos. Mais ou menos dependentes. Com frequência, nas famílias, apenas um filho se responsabiliza de verdade pelo pai ou pela mãe, os outros são figurantes. Essa função nos obriga a tomar atitudes para as quais nunca nos preparamos. Não há curso nem manual. Somos testados em nossa generosidade e compaixão. A primeira-ministra britânica Theresa May criou em janeiro o Ministério da Solidão para enfrentar “a epidemia oculta da sociedade moderna”: idosos que não têm ninguém ou, pior, que são ignorados por seus filhos. Não recebem visitas, não ganham presentes nem beijinhos. Irritam os filhos por dar trabalho, por ficar doentes, por não escutar direito, por esquecer, por desaprender de conversar ou até de deglutir. Os velhos percebem quando os filhos não desejam mais sua companhia. Uns se envergonham de pedir atenção. Outros protestam, carentes. E muitos desejam, nesse momento, morrer. Não conseguem engolir a solidão. PUBLICIDADE A psicóloga Ana Fraiman é dura com o egoísmo de filhos e netos convictos de que bastam algumas poucas visitas, rápidas e ocasionais, para ajudar no bem-estar dos mais velhos. Muitas vezes, “os abandonos e as distâncias não ocupam mais que algumas quadras ou quilômetros que podem ser vencidos em poucas horas.” Ana percebe que nasceu uma geração de pais órfãos de filhos vivos. “Pais órfãos que não se negam a prestar ajuda financeira. Pais mais velhos que sustentam os netos nas escolas e pagam viagens de estudo fora do país. Pais que lhes antecipam herança. Mas que não têm assento à vida familiar dos mais jovens, seus próprios filhos e netos, em razão, talvez, não diretamente de seu desinteresse, nem de sua falta de tempo, mas da crença de que seus pais se bastam”. Uma providência para quem deseja morrer com dignidade é viver com dignidade. Uma das formas de viver com dignidade é amar quem se dedicou a nós. Demonstrar em pequenos gestos. Leia mais: https://oglobo.globo.com/opiniao/a-solidao-de-seus-pais-22539934#ixzz5BPufeaWm

muito bom o texto

vamos as possíveis saídas uma vez que a mais honrosa seja o testamento vital e não havendo nenhuma previsão ( aliás sobre qual aspecto existe, neste país , previsão?)temos alguns pontos nos quais me detive a ler há tempos atrás:

1. Itália e Japão já usam ( ao invés de cuidadores sem paciência) robôs que diariamente registram os sinais vitais dos idosos sob seus cuidados e os enviam a uma central específica e se os filhos fizerem questão a eles tbm, junto a foto diurna. Conversam com os idosos ( óbvio que os assuntos que são programados a)

2. a saída holandesa eu particularmente achei linda: nos abrigos ou casas de idosos são hospedados jovens que vêm do interior a Amsterdam para estudar e que se não fora isto não teriam como bancar sua estadia na capital. São , então, hospedados junto aos idosos.

Cada jovem passa a ser responsável por um ou no máximo 2 idosos e são obrigados , como forma de pagar ao governo, a cuidar deles principalmente quanto a parte de lazer. As bicicletas são estilo das motos da tropa alemã na segunda guerra e eles levam-nos a passear e o resultado segundo estatísticas de lá é perto do muito ideal.

Particularmente, eu opto pelo testamento vital. Agora aqui, mesmo se o fizermos, nos deixarão junto a tubos e fios porque nossa vontade vai esbarrar no famoso, inquestionável, régio, absoluto em certezas qual seja : os direitos humanos em um país chamado Brasil!

Agora aqui entre nós: é muita ousadia e ter certeza de não ser questionada criar ministério da solidão no UK

kkkkkkkkkkkkkl pelo amor das entidades que nenhum político leia isto!

Vai que seja a forma futura de desvio de dinheiro e instrução a justiça

Esta Inglaterra a cada dia se torna mais apaixonante!

Não divulgue isto a políticos por favor! kkkkkkkkkkkkkl

Já os vejo na TV com lágrimas nos olhos pelos velhinhos abandonados.😜🤣🤣🤣

Anúncios

Autor: betaniasemh

Professora universitária pela UERJ e médica do Hospital Federal Cardoso Fontes/ Rio de Janeiro duração : 35 anos aposentada 65 anos. Solteira, sem filhos. Viagens, arte, música e escrever são minhas predileções atuais não deixando de forma alguma a medicina agora como um fator de ajuda a necessitados. A paixão por escrever sobre os mais variados assuntos me moveu até aqui.( Ler é vestir a alma, escrever é despi-la) Resido atualmente na região serrana do estado do Espírito Santo na cidade de Santa Teresa colonização italiana e alemã.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s